Archive for the 'Hábitos de consumo' Category

02
out
13

70% dos paulistanos frequentam shoppings

Fonte: Folha de São Paulo

Na avenida Paulista, entre a rua Pamplona e a alameda Campinas, onde anos atrás ficava a mansão Matarazzo, um enorme prédio vem tomando forma há dois anos –ainda o esqueleto daquilo que será mais um shopping, o Cidade São Paulo.

Em Pirituba, precisamente no número 1.465 da avenida Raimundo Pereira de Magalhães, o novo Tietê Plaza Shopping já está mais definido –a inauguração será em novembro.

Esses são dois exemplos de um boom de shopping centers que São Paulo vive atualmente.

Nos últimos dez anos, a capital ganhou 16 novos centros de compra, um crescimento de 43% desde 2003. E a expansão não deve mudar tão cedo.

Aos 53 empreendimentos que a cidade tem hoje devem se somar pelo menos seis até 2015, incluindo outlets próximos à capital.

Entre as novidades que vêm por aí, há desde empreendimento misto, que, além de lojas, traz escritórios (caso do Cidade São Paulo), até outro menor, com lojas de luxo (o Cidade Jardim Shops, nos Jardins), passando pelos outlets e pelos que miram a classe C (Estação Jardim, na zona leste, e Tietê Plaza Shopping, na região norte).

A emergência da nova classe de consumidores, aliás, é um dos fatores apontados por especialistas para o aumento acelerado no número de shoppings –o outro motivo seria o crescimento da renda do brasileiro nos últimos anos.

“Hoje, apenas cerca de 20% dos frequentadores em São Paulo são da classe C. É pouco. É preciso pensar em shoppings específicos para esse público, que tem um grande potencial de crescimento”, afirma Luiz Alberto Marinho, sócio-diretor da consultoria em varejo GS&BW, que tem como clientes shoppings como o Pátio Higienópolis, o Pátio Paulista e o Plaza Sul.

70% FREQUENTAM

Atualmente, 70% dos paulistanos têm o hábito de frequentar esse tipo de espaço, sobretudo para passear e comprar, segundo pesquisa Datafolha feita nos dias 2 e 3 de setembro com 615 moradores da cidade. Entre as pessoas das classes A e B, esse índice sobe para 84% e, entre os mais jovens, para 81%.

Em uma cidade como São Paulo, com sérios problemas de trânsito e de segurança, o shopping conquista por sua praticidade, na opinião da urbanista Heliana Vargas, coordenadora do Laboratório de Comércio e Cidade da FAU-USP. “A cidade tem muitas opções de lazer,
mas o shopping é a preferência do paulistano por ser um ambiente organizado, confortável, onde se pode comer, comprar e ir ao cinema com segurança. Daí a popularidade”, diz.

A dona de casa Maria Cristina Ferreira, 56, vai ao Anália Franco, na zona leste, pelo menos três vezes por semana. “Resolve” ali farmácia, supermercado e banco. Vez por outra, passeia e aproveita para tomar um café com as amigas. “Eu poderia fazer tudo mais perto de casa, sem nem pegar o carro, mas prefiro a segurança e o conforto do shopping.”

Ainda que seja um dos principais atrativos para a população, a sensação de segurança desses espaços pode ter efeitos colaterais na vida na cidade.

Para a socióloga Valquíria Padilha, professora da FEA-USP de Ribeirão Preto e autora do livro “Shopping Center – A Catedral das Mercadorias” (2006, Boitempo), o aparato de segurança e a própria arquitetura desses espaços selecionam o tipo de público que pode entrar, gerando segregação.

“É uma perda social muito grande, porque as pessoas acabam vivendo em uma bolha sem conexão com a realidade e a diversidade da vida urbana.”

NICHOS

A principal tendência para que o setor continue em expansão atualmente é a diversificação dos perfis dos empreendimentos, na avaliação de Luiz Alberto Marinho.

“Hoje, 87% dos shoppings brasileiros são tradicionais, com lojas, cinemas e restaurantes. Ainda há um espaço grande para novos centros diversificados, como os shoppings de vizinhança, que são menores e pretendem atender apenas a população do bairro, para outlets e para os temáticos, focados em um segmento, como o D&D, que é só de decoração.”

A urbanista Heliana Vargas acredita que, em um cenário com tanta oferta de espaços comerciais, a aposta em empreendimentos mistos –como o JK Iguatemi, que também tem escritórios– pode ser determinante para o sucesso do projeto, uma vez que eles já garantem um fluxo de frequentadores.

“Para a cidade, também é mais interessante porque cria uma abertura para o entorno e mantém aquela área viva além do horário comercial.”

 

25
set
13

hábitos culturais dos internautas

 

Ir ao cinema é a principal atividade (Divulgação)

Acaba de ser concluída uma pesquisa inédita feita pela plataforma de pesquisa on-line do Ibope, Conecta, sobre os hábitos culturais dos internautas da cidade de São Paulo. A enquete apontou que quase a totalidade dos internautas (94,9%) utilizam a internet para consulta de atividades sociais e culturais. Entre os jovens (16 a 29 anos) esse número sobe para 98,5%. Em seguida, eles consultam jornais (38,8%), depois revistas (29,1%) e outros (18,5%).

A frequência com que participam de alguma atividade cultural também foi uma pergunta importante na consulta. Os resultados mostram que 39% vai 1 vez por semana, 29,6% 1 a cada 15 dias e 17,8% 1 vez por mês.

De acordo ainda com a pesquisa, as principais atividades culturais são: ir ao cinema (71,3%), ir a shows/concertos (37,1%), ir a exposições (25,1%) e ir ao teatro (24,1%) e participar de atividades esportivas (23,1%). Outro dado interessante é que 29,5% já fazem downloads de livros pela web, ou seja, quase 1 em cada 3 internautas.

Confira os sites mais consultados pelos internautas:

1º Catraca Livre (37,9%)
2º UOL (37,8%)
3º Veja SP (27,3%)
4º Guia da Folha (26,1%)
5º Terra (20,1%)
6º Guia da Semana (16,1%)
7º IG (12,6%)
8º Divirta-se Estadão (9,5%)
9º Cidade São Paulo (6,8%)

A pesquisa foi feita durante 15 dias no mês de agosto último com 800 internautas, de faixas etárias e de classes sociais diversas e foi encomendada pelo Catraca Livre ao Ibope Inteligência.

Redação Adnews

21
jun
13

qual o nome do refrigerante: isso depende de onde você mora!!!

Na semana passada, uma das coisas mais virais na internet era alguns mapas simples. Criados pelo estudantes de estatística  Joshua Katz, os mapas mostram variação regional na linguagem.

http://www.linkedin.com/today/post/article/20130609130800-5670386-do-you-call-it-soda-or-pop?goback=%2Egde_82105_member_249950000

 

20
jun
13

Hábitos: comer um lanche ou consumir mídia?

A TouchPoints EUA procurou investigar todas as dimensões dos comportamentos envolvidos entre “comer um  lanchinho e o consumo de mídia”  entre  homens e mulheres de 18-34 anos de idade.

E publicou um  extrato  que analisa especificamente a relação entre o consumo de mídia e lanches.

Leia mais: http://www.mediapost.com/publications/article/202325/the-whole-story-eating-snacks-consuming-media.html?goback=%2Egde_82105_member_249908767#axzz2WOU3kOrq